Quando se relaciona o nível de escolaridade com a renda da população, observa-se que aqueles que adquiriram um maior nível de estudos são os que conquistam maior renda, significando que o nível de renda tem uma relação direta com a escolaridade. A educação e a formação técnico-profissional são fundamentais para a elevação da autoestima, para a afirmação da cidadania e para a redução dos patamares de exclusão social, com o crescimento equitativo da ocupação e da renda. É fundamental a recuperação dos níveis de escolarização, para que possamos garantir o sucesso das políticas de geração de empregos e renda para a população.O País vive uma crise de mão de obra especializada. Cada vez mais estamos dependendo de profissionais qualificados, tanto em graduação superior, quanto em formação técnica. A qualificação profissional tem um efeito direto não apenas na remuneração do trabalhador, como também na qualidade do produto final, seja na indústria, no comércio ou nos serviços.

Pensando nisso, queremos promover o acesso, cada vez maior, principalmente dos nossos jovens, aos cursos profissionalizantes, seja junto ao Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, do Governo Federal), em conjunto ou diretamente com os serviços nacionais de aprendizagem, de instituições públicas e privadas (Sebrae – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, Senai – Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, Senar – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, Sescoop – Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo, Senac – Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial, Senat – Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte). Nosso compromisso, também, vai no sentido de trabalhar na captação de recursos, tanto no orçamento do Estado, como da União, para a construção, reforma e aquisição de equipamentos de nossas escolas, bem como no apoio para a qualificação e melhoria da remuneração dos nossos professores e demais profissionais da área de Educação.